RSS

Casa da Glória – Diamantina – MG

0 Comentários | Esta postagem foi publicada em Jan 08 2011

A Casa da Glória integra duas edificações dos séculos XVIII e XIX que são ligadas por um passadiço. Acredita-se que sua construção deva ter sido realizada entre 1775 e 1800. O nome “Casa da Glória” se deve pelo fato da construção ter abrigado a residência da Dona Josefa Maria da Glória. Está localizada no município de Diamantina (Minas Gerais). No passado abrigou o colégio das irmãs vicentinas. No início do século XIX a Casa da Glória passou a ser do Estado, sendo utilizada como residência dos intendentes. Em 1864 a construção passou para o domínio eclesiástico, sendo transformada na sede do Segundo Bispado de Minas Gerais. Neste período tornou-se residência oficial dos Bispos de Diamantina. Em 1867 passou a ser conhecida como Orfanato e Educandário Feminino de Nossa Senhora das Dores, abrigando religiosas da ordem de de São Vicente de Paulo. Nesta época foi construída a famosa Passarela de Diamantina, após a aquisição da construção que existe do outro lado da rua. As duas construções estavam então ligadas.

Em 1969 a casa foi adquirida por pesquisadores alemães que então utilizaram o espaço para a criação do Instituto Eschwege.

Em 1979 a Casa da Glória passou a ser sede do Instituto Casa da Glória, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Adquirida pelo Ministério de Educação e Cultura para alojar o Centro de Geologia Eschwege, o Centro de Geologia Eschwege é de propriedade do Instituto de Geociências da UFMG e oferece cursos relacionados com geologia e mantém uma infra-estrutura disponível para pesquisadores.

Confira fotos imersivas da Casa da Glória, fotos em 360 graus da Passarela de Diamantina e outros pontos de interesse:

Casa de Chica da Silva – Diamantina – MG

0 Comentários | Esta postagem foi publicada em Nov 10 2010
Localizada  na Praça Lobo de Mesquita, 266, no município de Diamantina (MG), a antiga residência de Chica da Silva é hoje ocupada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) onde também funciona um museu que leva o nome da ex-escrava. Figura histórica de Minas Gerais, a amante do contratador de diamantes João Fernandes de Oliveira – um dos homens mais poderosos da cidade – morou nesta residência entre 1763 e 1771, quando a cidade levava ainda o nome de de Arraial do Tijuco. O casal teve 13 filhos.

O museu está aberto para visitação de terça a sábado (12:00 – 17:30) e dimingo (09:00 – 12:00). Obs: confirmar datas e horários.

Realize um tour virtual em fotografias panorâmicas imersivas em frente à Casa de Chica da Silva:

  • Casa de Chica da Silva – Foto 360° da fachada da residência.
  • Casa de Chica da Silva – Vista virtual em giro 360 na Rua do Contrato.
  • Muxarabi –  Detalhe do balcão fechado em muxarabi.
  • Fachada da Capela de Chica da Silva – Construída em 1771 na lateral da casa, a pequena capela era de uso exclusivo de Chica da Silva. Esta foto em 360 graus exibe a fachada recriada em 1951, já que, no passado, fora demolida em data desconhecida.
  • Rua Vieira Couto – Tour virtual 360 ao longo da Rua Vieira Couto. Ao final pode-se ver a casa.
  • Rua Contrato – Passeio virtual pela Rua Contrato. Ao final da via está a Casa de Chica da Silva.
  • Casa de Chica da Silva – Outra foto 360 exibindo o portão e o balcão fechado em muxarabi.